Datalogger

Dataloggers suportam de 1 a 4 sensores. Para instrumentos próximos é possível, portanto, utilizar apenas 1 datalogger para até 4 instrumentos, resultando em maior eficiência e melhor custo para o projeto. Apresenta um novo conceito de customização, sendo composto por módulos. Desta forma, tanto as entradas paras sensores quanto os meios de conexão do datalogger podem ser alterados através de seus módulos.

Entre os módulos de interface disponíveis destacam-se:

  • Módulo para sensor de corda vibrante (frequência + temperatura);
  • Módulo para sensor analógico de 4 a 20 mA;
  • Módulo para sensor óptico;
  • Módulo para dispositivo RS-485 / RS-232.

Através dos módulos de interface é possível equipar o datalogger para ler diferentes tipos e diferentes quantidades de sensores, fazendo com que o custo da solução se adapte exatamente à demanda do usuário.

Dentre os módulos de comunicação disponíveis tem-se:

  • LoRa;
  • X-Bee;
  • WiFi;
  • SigFox;
  • Ethernet.

Os dataloggers serão entregues com antenas direcionais para melhor comunicação com o concentrador.

Cada datalogger conta com capacidade de armazenamento de 250.000 registros, e possui interface USB para configuração e download local dos dados.

ENERGIA

Cada datalogger utiliza 1 bateria tamanho D, de 3,6 V.

Recomenda-se o uso de baterias de íons de lítio-cloreto de tionila, cujas características garantem maior segurança de operação em campo.

A autonomia do datalogger está diretamente relacionada à quantidade de transmissões de dados realizada. Para transmissões a cada 1h a autonomia é, em média, de 2 anos.

O datalogger Sirius ainda permite alimentação externa em 12 V.

Agricultura

A maioria das atividades relacionadas ao cultivo de alimentos dependem das condições de solo e tempo. Portanto, estações meteorológicas sem fio representam um papel muito importante na prevenção de doenças e na correta irrigação. Estas estações retornam à estação base os principais parâmetros necessários para a tomada das melhores decisões: temperatura do ar e umidade relativa, precipitação e dados de umidade da vegetação(necessários para modelos de prognóstico de doenças), radiação solar e velocidade do vento(necessários para calcular a evapotranspiração) e, em algumas ocasiões, a umidade do solo, crucial para decisões de irrigação adequada para compreensão do progresso da água no solo e para as raízes. Devido aos micro-climas locais poderem variar significativamente, tais dados precisam vir corretamente dentro do cultivo. Estações de monitoramento normalmente transmitem de volta os dados através de rádio terrestre, apesar de sistemas de satélite serem usados eventualmente.